Pesquisar este blog

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Acordo “Discreto, mas não secreto”

 

Dois níveis de encontro:

O diálogo “diplomático” e aquele “doutrinal”

 

Don Curzio Nitoglia

[Tradução: Gederson Falcometa]

Convite à leitura

 

Em dezembro de 2011 foi publicado um livro muito interessante, escrito pelo Reverendo Padre Michel Lelong (licenciado em língua e literatura árabe, laureado em letras, professor emérito no Instituto das Ciências da Teologia das Religiões em Paris) da “Sociedade dos Padres Brancos”. O livro é intitulado Pour la nécessaire réconciliation. Le Groupe de Réflexion Entre Catholiques (GREC), Nouvelles Editions Latines, Paris [1].

Uma leitura estimulante, que aconselho a todos.

 

clip_image001

Encontros privados e discretos

O “Padre Branco”, ordenado sacerdote em 1948, narra a história dos diálogos do “Groupe de Réflexion Entre Catholiques; Grupo de Reflexões Entre Católicos” (‘GREC’); diálogos que define “discretos, mas não secretos” (pg 29) com alguns membros da dirigência da FSSPX em vista de um acordo pleno entre a mesma Fraternidade Sacerdotal São Pio X e o Vaticano, depois de ter aceitado a interpretação do Concílio Vaticano II a luz da Tradição ou a “hermenêutica da continuidade” e ter recebido a liberação da Missa tradicional, a remissão da excomunhão e a plena sistematização canônica.  

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

La lectura de la Biblia en lengua vulgar juzgada segun la escritura, la tradicion e la santa razon - J. Bautista Malou

[issuu viewMode=singlePage width=650 height=500 embedBackground=%2325408f pageNumber=352 backgroundColor=%23222222 documentId=121222172059-8111442a4a074e82bf81f3722cfa6c07 name=la_lectura_de_la_biblia_en_lengua_vulgar username=gedersonfalcometa tag=religion unit=px v=2]

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique aqui para fazer download do livro

 

2011 SEGUNDA FASE ‘MUNDIALISTA’ DA MUTAÇÃO JUDEU-CRISTIANIZANTE

 

D. CURZIO NITOGLIA

20 de dezembro de 2011

[Tradução: Gederson Falcometa]

http://www.doncurzionitoglia.com/fase_2_giudeo_cristianesimo.htm

image

Avan-propósito

·        Antes do Vaticano II a distinção e contraposição entre Cristianismo e Judaísmo talmúdico ou pós-bíblico era pacífica.

Infelizmente a distinção não só se enfraqueceu devagar (com João XXIII) mas foi revertida com Nostra Aetate e pelo ensinamento de João Paulo II e Bento XVI. Assim, da distinção se passou a confusão e a homologação doutrinal e teológica dos opostos (Cristo e Anticristo).

·        Todavia restava um passo ulterior a cumprir. A ilustração deste segundo nível é o coração do presente artigo. A declaração do rabinato e do alto clero são de uma gravidade inaudita, mas são reais e necessitam tomada de atitude. Depois do nivelamento doutrinal nunca cumprido, era necessário alcançar aquele prático: especialmente politico (1948, Estado de Israel/1923, seu reconhecimento da parte do Vaticano) e econômico-financiário (crise do Dólar e do Euro). A partir de 2001 e até 2011 temos assistido ao constante e progressivo aumento (quase mascarado e não alardeado explicitamente  da Torre de Babel” da “Nova Ordem Mundial” com uma “República Universal” (EUA/Israel) e um “Templo Universal (Assis I-III, 1986-2011). Somente nos últimos meses se fala aberta e explicitamente de uma segunda fase da ação conjunta hebraico-cristã (não mais só dos colóquios), que devem preludiar a uma Nova Ordem Mundial econômico/política, e tudo a luz da shoah e Nostra Aetate, que são correlativamente pai e filho. Eu ofereço ao leitor as seguintes considerações com a esperança que os cristãos abram os olhos e não caiam vítimas da globalização religiosa e econômico/política, a qual é a pior tirania, mascarada de “democracia”, que se possa imaginar.

 

·        O artigo que segue é um comentário a está segunda fase, partindo de Orwel e chegando a Benson para mostrar como da shoah e Nostra Aetate se atingiu agora a fase final do desenvolvimento econômico-financiário da Nova Ordem Mundial querida pelos rabinos e pelos eclesiásticos neo-modernistas.

*

P. CURZIO NITOGLIA: PAGANISMO

clip_image002
PAGANISMO
Padre Curzio Nitoglia
[Tradução: Gederson Falcometa]

O paganismo (1) nega a liberdade humana, a onipotência criadora e a providência divina, em mundo governado pelo destino.

Para o cristianismo – ao contrário – a história esta nas mãos de Deus onipotente que toma cuidado do mundo, conduzindo a humanidade, através de vias misteriosas, ao fim que lhe deu; mas como criou o homem livre, ele pode não corresponder ao plano de Deus, revoltar-se contra, e então Deus – com a sua onipotência e sabedoria infinita – tira de todo mal um bem, ou seja, consegue fazer concorrer para o fim da criação e da história, também os lados negativos do homem.

A história, portanto, é toda de Deus como causa primeira e principal e toda do homem como causa segunda e instrumental (como a maçã é toda do agricultor e toda da árvore).

Postagens mais visitadas

D. DAVIDE PAGLIARANI: A HERMENÊUTICA DA HERMENÊUTICA - SEGUNDA PARTE: CONSEQUÊNCIAS ÚLTIMAS DA HERMENÊUTICA DA CONTINUIDADE

Don Davide Pagliarani Revista Tradizione Cattolica FSSPX Itália Março de 2010 Tradução: Gederson Falcometa A hermenêutica da continuidade en...