Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de abril de 2021

MONS. HENRY DELASSUS: "O AMERICANISMO E A CONJURAÇÃO ANTICRISTÃ", SUGIRO A LEITURA

 


Don Curzio Nitoglia
Tradução: Gederson Falcometa

Monsenhor Delassus e o Americanismo

Monsenhor Henry Delassus escreveu um livro esclarecedor sobre o Americanismo (L'Américanisme et la Conjuration antichrétienne, Lilla-Paris, Desclée De Brouwer, 1899, tr. It., Americanismo e a conspiração anticristã, Siena, Bernardino, 1903) que nos ajuda a compreender a atual situação religiosa e geopolítica - dominada pelo americanismo temporal e espiritual - claramente prevista pelo prelado francês há cerca de 100 anos. A editora Effedieffe (Proceno di Viterbo) propõe, para o Natal de 2015, a segunda edição aos leitores italianos.


Trama da obra

Nesta obra, o prelado explica que de todos os sujeitos inquietantes do mundo atual, tanto no campo político quanto no religioso, a América do Norte não é dos menores. Na verdade, o que o caracteriza é "a audácia nas empresas industriais e comerciais e também nas relações internacionais, atropelando todas as leis da civilização católico romana" (p. 47 da edição Effedieffe). Infelizmente, por meio do americanismo, os Estados Unidos impõem a sua audácia até mesmo nas questões religiosas.

O termo "catolicismo americano" ou americanismo (condenado por Leão XIII em 1889 com a Carta Testem benevolentiae ao cardeal Gibbons) não é um rótulo de cisma ou heresia, é "um conjunto de tendências doutrinárias e práticas, que tem sede na América e que daí se espalhou para o mundo cristão e especialmente para a Europa ”(p. 48). O aspecto mais preocupante do americanismo é o de "sua relação com as esperanças e projetos do judaísmo, especialmente com as tendências anticristãs das leis do mundo moderno e da sociedade americana, que aspira a possuir o monopólio do pensamento revolucionário" ( p. 49). Na verdade, "há uma conspiração anticristã que atua, por meio de revoluções e guerras, para enfraquecer e, se possível, aniquilar as nações católicas, para dar hegemonia às protestantes, como a América, a Alemanha e a Grã-Bretanha" (Nota nº . 1, página 49).


Um dos «elementos distintivos da “Missão Americana” é o retorno à unidade de todas as religiões, através da destruição de barreiras e diferenças, chegando a um Congresso da tolerância internacional das religiões, para lutar unidos contra o ateísmo» (p. 129 ). O indiferentismo ou tolerância em princípio, para o qual tende o americanismo, consiste em equiparar "todas as religiões como igualmente boas" (p. 83). “A conspiração anticatólica penetra em todos os lugares, para destruir - se fosse possível - a Igreja e colocar em seu lugar o israelismo liberal e humanitário” (p. 84). “Essa conspiração se tornou universal” (p. 85). “Entre o espírito judaico e o americanista há um ponto de contato nos princípios de 1789” (p. 85). "A presunção ou confiança excessiva em si mesmo é a característica específica do americanismo ... e os judeus esperam trazer à tona o israelitismo liberal e filantrópico" (págs. 86), ou seja, a neo-religiosidade da nova era.

Monsenhor Henri Delassus (p. 87) explica que o Magistério da Igreja condenou todos os falsos princípios em que se funda o espírito americanista: direitos humanos (condenados por Pio VI); a liberdade absoluta da pessoa humana, a liberdade de pensamento, de imprensa, de consciência e de religião (de Gregório XVI e Pio IX), a separação entre Igreja e Estado (de Leão XIII). Em vez disso, para os americanistas, é necessário confiar no "liberalismo amplo ou latitudinário e na tolerância dogmática até o amargo fim, evitando falar sobre qualquer coisa que possa desagradar os protestantes e outras religiões" (p. 87). Para a Igreja de Roma, "o catolicismo é a verdadeira religião, enquanto para os americanistas é apenas uma religião entre muitas" (p. 88).

Infelizmente, o ideal religioso e geopolítico americanista (cerca de cinquenta / setenta anos após a condenação de Leão XIII) foi realizado espiritualmente - inicialmente e latentemente - no Concílio Vaticano II e depois - plena e abertamente - em Assis em 1986 e finalmente - paroxisticamente - com Francisco I ) temporalmente com o teoconservadorismo norte-americano (dos republicanos conservadores Reagan, pai e filho de Bush, que teve continuidade na política externa também pelo progressista democrata Barak Obama) chegando em 2015 com a crise turco-russa a sua conclusão radical.

De fato, “os americanistas dizem que as idéias judaico-americanas são o que Deus deseja para todos os povos de nosso tempo. O Judaísmo e o Americanismo acreditam ter recebido uma "missão divina" em todo o mundo. Infelizmente, a influência da América com seu espírito de liberdade absoluta se estende cada vez mais entre as nações, de modo que a América dominará outras nações ”(p. 126). A América parece ser a "Nação do Futuro" (p. 128). Porém - comenta o prelado - “se tal futuro será o do desenvolvimento industrial e comercial, social e político, segundo os princípios de 1789, isto é, o progresso material e a independência absoluta do homem de qualquer autoridade, mesmo divina; a era que veremos será a mais desastrosa já conhecida. Nela, a América destruirá as tradições nacionais europeias, para fundi-las na unidade ou pax americana ”(pp. 128-129).

A base, ou o menor denominador comum, dessa mistura de religiões, povos, culturas, é um moralismo sentimental ou "uma vaga moral" (p. 129), subjetiva e autônoma kantiana, "independente do dogma, onde todos são livres de a interpretar à sua maneira ”(p. 70). Foi conseguido hoje através da união dos teoconservadores americanistas com o sionismo e alguns elementos conservadores-liberais do catolicismo europeu, que se unem para defender a vida, o embrião, contra o materialismo ateísta (uma coisa boa em si), mas em detrimento da especificidade da pureza do dogma, da tradição cultural de cada nação e das diferenças étnicas (que, se não são exageradas, não devem nem mesmo ser destruídas com a ofensa de povos, que têm suas peculiaridades de língua, cultura, mentalidade e religião).

“O movimento neo-cristão ou americanista tende a se libertar do dogma para se basear na beleza da ética” (p. 72), “para substituir a fé por uma cultura ou sensibilidade de moral autônoma e independente, em uma vaga religiosidade superior a todos outras religiões positivas ”(p. 100).

Segundo a doutrina católica, "a fé sem obras é morta" (São Tiago), mas "sem fé é impossível agradar a Deus" (São Paulo). Portanto, não devemos desprezar a moralidade, mas também não devemos reduzir a religião apenas à moralidade, sem levar em conta a integridade dogmática.


Monsenhor Delassuss se explica ainda melhor escrevendo que:


“Há um entendimento entre o judaísmo e o americanismo, para substituir a religião católica por essa Igreja ecumenista ou globalista, essa religião pseudo-democrática, para a qual a Aliança Universal de Israel está preparando o advento” (p. 186).

O americanismo é o instrumento do judaísmo liberal e filantrópico-humanitário, que substituiu a "fé" do judaísmo ortodoxo (em um Messias pessoal e militante, que devolveria a Israel o domínio do mundo), com a “crença humana” do judaísmo liberal (em um "messias ideia", que é o mundo moderno, nascido do Humanismo, Protestantismo e Iluminismo revolucionário, inglês, americano e francês, que fará o mundo cair no relativismo e no irenismo, que erodirá o Credo Católico e o que ainda resta do Cristianismo europeu), “para conduzir a humanidade, com suavidade, para a Nova Jerusalém” (p. 105).

O espírito do "Novo Mundo" ou americanismo é caracterizado (segundo Delassus) pelos princípios de 1789, que são "a independência do homem de todo poder humano e mesmo divino" (p. 130), vale dizer os direitos (ou culto) do homem e a derrubada de Deus e sua Igreja.

O americanismo tem um duplo aspecto:

I)           do ponto de vista político é caracterizado por um certo cosmopolitismo, que leva ao globalismo e à globalização, que ao se infiltrar em cada nação as corrompem para dominá-las. Este "reino ou república universal" é o sonho da Aliança Israelita Universal, "centro, viveiro e elo da conspiração anticristã, à qual o americanismo dá um apoio considerável". O judaísmo talmúdico é baseado na leitura material (em vez de literal) das profecias do Antigo Testamento.


Delassus escreve:

 

"Leia essas profecias em seu significado material-terreno e aí você encontrará a resposta para o enigma, a explicação da atividade febril judaica, o sonho do Judaísmo. Ainda hoje, acredita-se ser o povo destinado por Deus a dominar, material e temporalmente, sobre todas as nações ... através das finanças, bancos, imprensa e meios de comunicação de massa [ou destruição] "(p. 55).

Enquanto o Concílio Vaticano I estava sendo aberto em Roma em 29 de junho de 1869, um Concílio do Judaísmo foi realizado em Leipzig, que afirmou que "a realização dos princípios da modernidade é a maior garantia para o presente e futuro do Judaísmo" (p. 55) . Infelizmente, continua o prelado francês, “dois fenômenos estão diante de nossos olhos: a crescente preponderância do povo judeu e a triste crise do cristianismo” (p. 56).

 

Enquanto o Concílio Vaticano I foi inaugurado em Roma em 29 de junho de 1869, um Concílio de Judaísmo foi realizado em Leipzig, que afirmou que "a realização dos princípios da modernidade é a maior garantia para o presente e futuro do Judaísmo" (p. 55) . Infelizmente, continua o prelado francês, “dois fenômenos estão diante de nossos olhos: a crescente preponderância do povo judeu e a triste crise do cristianismo” (p. 56).

 

O ponto de encontro entre o judaísmo e o americanismo encontra-se nos princípios revolucionários de 1789 e, particularmente, em duas teses: “1) Que todas as nações renunciem ao amor à pátria e sejam fundadas numa república universal; 2 °) que os homens renunciem igualmente a qualquer particularidade religiosa, para se confundirem na mesma religiosidade vaga ”(p. 57). Esses ideais são levados adiante pela Aliança Universal Israelita, fundada em 1860 pelo judeu e maçom Adolfo Crémieux, grão-mestre do Grande Oriente da França. Esta Aliança "não era apenas uma internacional judaica, ela mirava mais alto: ser uma associação aberta a todos os homens, sem distinção de nacionalidade ou religião, sob a alta direção de Israel ... Ela quer penetrar todas as religiões, como já  penetrou todos os países, para derrubar as barreiras que separam o que um dia terá de ser unido em uma indiferença comum ”(pp. 57-58).

O prelado se pergunta: “O que significa penetrar em uma religião? Acima de tudo, introduzir nela as suas próprias ideias. O Judaísmo está tentando infiltrar suas idéias na Igreja Católica? Sim, seus representantes o afirmam ”(p. 58).

 

As forças políticas utilizadas pelo judaísmo liberal, filantrópico e maçônico são: a) a democracia; b) liberdade como valor absoluto; c) mudança radical (cf., p. 112). Essa mudança radical atinge também a vida espiritual, visando o primado da ação sobre a contemplação. A exaltação da iniciativa individual (típico do liberalismo puritano americano), com excessiva autoconfiança (ver, pp. 113-114). Bem-estar físico e corporal (diferente do bem-estar temporal comum), como “transfiguração do corpo” (p. 114). O “sensismo empirista inglês, como anti-metafísica radical e anticristianismo”.

Delassus aponta que agora os novos Cristãos Americanistas, juntamente com os Judeus liberais e humanitários, "aspiram a um Messias que não seja Jesus Cristo e nem mesmo o messias militante pessoal do Judaísmo Ortodoxo, mas uma ideia de material e corporal de Bem-Estar que fará o homem rico e feliz nesta terra ”(p. 117). Este Bem-Estar (com maiúscula) consiste não em possuir o necessário ou o conveniente, mas o "supérfluo". Os fiéis desta nova religiosidade não devem ser combatidos, devem estar sempre certos, seguir a tendência, dizer-lhes o que agrada e satisfaz os sentidos (cf., p. 160).

 

II) Do ponto de vista religioso: o americanismo usa o esoterismo, o maçonismo e o ecumenismo para se infiltrar na religião católica e - se possível - destruí-la. “A Maçonaria tem as mesmas reivindicações e as expressa nas mesmas palavras” (p. 59). O Judaísmo liberal é ainda mais claro quando diz que devemos lutar por "uma nova Jerusalém, que deve substituir Roma ... A linhagem judaica quer estabelecer seu reino sobre o mundo inteiro, na ordem temporal e espiritual" (p. 59) . O americanismo também usa sociedades secretas para atingir seus objetivos (cf., p. 60) para arruinar a pátria e a religião. A nova "república universal será governada pelo povo judeu, a única verdadeira raça cosmopolita, apátrida e universal" (p. 60). E finalmente "pelo anticristo, o ditador supremo que se tornou a única divindade deste novo mundo" (p. 64).

Os Estados Unidos têm o triste "privilégio de destruir as tradições e especificidades nacionais e religiosas europeias, para fundi-las na unidade americana" (p. 64). O americanismo busca substituir a controvérsia (polemikòs = pertinente à disputa doutrinária) pelo irênico (eirenikòs = pertinente ao pacifismo, tolerância e conciliação até o amargo fim). O americanismo está "absolutamente convencido de que os Estados Unidos estão predestinados a produzir um estado de bem-estar superior ao que foi experimentado até agora" (p. 130).

O outro pilar em que se baseia o americanismo é o ecumenismo. Monsenhor Delassus (p. 104) nos informa que um congresso ecumenista ou conselho de todas as religiões (exceto a católica) aconteceu em Chicago entre 11 e 28 de setembro de 1893. Neste concílio foi estabelecido que "a Igreja Católica deve fazer as concessões mais generosas às outras religiões" (p. 105); naturalmente Roma condenou. No entanto, não se pode deixar de notar como em 1962-1965 essas idéias americanistas também penetraram no meio católico durante o Concílio Vaticano II, que teve como objetivo principal o "diálogo com o mundo moderno" que é o mesmo que animou o Congresso de Chicago de 1893 e o Concílio do Judaísmo realizado em Leipzig em 1869, que afirmou que "a realização dos princípios da modernidade é a maior garantia para o presente e o futuro do Judaísmo" (p. 55).

Em suma, teria sido desejado, já em 1893 no congresso de Chicago, "reunir os padres e ministros dos mais diversos cultos, associá-los numa oração comum" (p. 108), naturalmente sem cair (não se sabe como) no indiferentismo (assim como em Assis em 1986). Este congresso de Chicago é definido por Delassus como “o verdadeiro concílio ecumênico dos novos tempos” (p. 109); as analogias com o Vaticano II são, infelizmente, objetivas e impressionantes.

Delassus, concluindo seu estudo sobre o americanismo, define-o com poucas mas eficazes expressões: "Compromisso com a descrença, concessões ao erro, mutilação do dogma, atenuação do sobrenatural e facilismo ou descuido de todos os tipos". E ele, portanto, propõe o remédio para tanto mal:

“Evitar o desânimo, como atitude de quem sabe e conhece a realidade, mas não tem coragem de reagir. (...) Portanto, nunca cruze as mãos, desistindo da luta; com efeito, é necessário utilizá-los para a oração, a penitência e a ação cultural e doutrinal com consequências práticas concretas (...). É preciso ter cautela para não prestar ajuda ao judaico-americanismo, mesmo que involuntariamente. Portanto, não pregue o Bem-Estar como objetivo final, ... o sucesso neste mundo, ... a transfiguração do corpo humano, ... a preocupação desordenada com os interesses humanos, ... a abolição das barreiras entre as religiões e culturas, ... o fim da controvérsia para substituí-las pelo irenismo, ... o diluir do dogma em favor de uma moralidade subjetiva, ... a reconciliação entre o espírito de Cristo e o do mundo ”(pp. 153-156).

 

O progresso do americanismo com o Papa Bergoglio

 

Francisco I, numa entrevista, respondeu a Eugenio Scalfari: “O Vaticano II, inspirado pelo Papa João e Paulo VI, decidiu olhar para o futuro com um espírito moderno e abrir-se à cultura moderna. Os padres conciliares sabiam que a abertura à cultura moderna significava ecumenismo religioso e diálogo com os não crentes. Desde então, muito pouco foi feito nesse sentido. Tenho a humildade e a ambição de querer fazê-lo ”(Repubblica, 1 de outubro de 2013, p. 3).

Segundo ele é preciso dar “prioridade ao encontro, ao caminhar juntos. Fazendo isso, depois será mais fácil abandonar as diferenças ”(Jorge Bergoglio. Papa Francisco. O novo Papa fala de si mesmo, Salani, 2013, p. 76). Na verdade, segundo Bergoglio, é bom "não se perder em reflexões teológicas vazias" (p. 39). Portanto, não apenas o primado da ação, mas o desprezo pela reflexão e especulação teológica. O diálogo e o encontro pessoal são válidos para todos, judeus, muçulmanos e também para os "tradicionalistas", se estiverem dispostos a "encontrar-se, caminhar juntos"; o resto virá por si mesmo, as diferenças vão se suavizando gradualmente. Bergoglio costuma repetir: “é o tempo que nos faz amadurecer. O tempo deve ser permitido para moldar e amalgamar nossas vidas ”(p. 65).

O lema do Papa Bergoglio é "qualquer forma de não encontro é para mim motivo de profunda dor" (p. 110), por isso, quando "me pedem orientação, a minha resposta é sempre a mesma: diálogo, diálogo, diálogo .. . "(p. 111).

Portanto, é necessário saber esfumar e fazer as devidas diferenciações na personalidade de Bergoglio, pois nele há também um lado bastante oculto mas real da "estética litúrgica tradicional" a la Romano Guardini, e ele não desprezará, como Montini, a Missa de São Pio V, desde que não se objete muito e publicamente sobre a ortodoxia do Novus Ordo Missae de Paulo VI; o importante não é fazer teologia, mas caminhar juntos.

 

Assim, o modernismo americanista, que agora ocupou o ápice do meio católico e eclesial, pede aos católicos fiéis à Tradição que ajam unidos para superar o materialismo, o ateísmo. Assim, alguns católicos, fiéis e de boa fé, se deixam persuadir e agindo junto com os modernistas de que acabam sendo devorados por eles, como “o peixe menor é devorado pelo maior”.

 

A atualização americanista para a modernidade

 

O resultado dessa adaptação à modernidade foi catastrófico mesmo no ambiente eclesiástico. Basta não querer fechar os olhos à situação de degradação doutrinal e moral em que se encontram os homens da Igreja ou a Igreja em seu componente humano e à falta de crédito a que hoje se submete o catolicismo. Então, o remédio para sair destes flagelos é o seguinte: o retorno às verdadeiras fontes do cristianismo, patrística integrada e completada pelos escolásticos, sob a orientação do magistério da Igreja. Portanto, é necessário reavaliar a) o valor da razão humana, que se não pode saber tudo sobre todas as coisas pode, no entanto, vir a conhecer a essência das coisas com certeza e, portanto, representa a âncora da salvação no mar da dúvida universal; b) o valor perene da filosofia escolástica e especialmente tomista, fundada nos primeiros princípios por si conhecidos. Só uma razão justa e iluminada e fortalecida pela fé sobrenatural e pela caridade poderá resolver os problemas do homem contemporâneo. Não é se afogando juntamente que se salva a um banhista em dificuldade, mas antes ele deve ser tirado da água com segurança para ser capaz de ser reanimado.

 

A situação atual da Igreja é um verdadeiro tormento e não deve nos levar a menosprezar a figura do Papa como tal e nem o papado, na verdade devemos defendê-los quando forem atacados por aqueles (ver Declaração da ONU de 5 de fevereiro de 2014) que lhes odeiem enquanto tal, apesar dos edulcorantes e diluentes que foram feitos para se tornarem simpáticos ao homem contemporâneo ("quando o sal se torna insípido, é jogado fora e pisado"). Ao mesmo tempo, é legítimo mostrar com respeito as diferenças entre a Tradição constante da Igreja e o ensino pastoral objetivamente inovador, sem pretender poder salvar a Igreja.

Recomendo vivamente o estudo esclarecedor deste livro de Henri Delassus, que nos ajudará a compreender o que se passa sob os nossos olhos tanto do ponto de vista geopolítico (globalismo, globalização, a invasão da Europa e a formação da nova ordem mundial) e do ponto de vista religioso (o pan-ecumenismo de Assis 1986 e "a ONU de todas as religiões" lançada por Francisco I em 2015).

 

Que Deus nos ajude a manter a verdadeira fé intacta e pura, sem nos desviarmos por excesso ou defeito.

 

d. Curzio Nitoglia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

ROBERTO MARCHESINI: PORQUE UM CÓDIGO CAVALHEIRESCO.

  Extraído do livro Código cavalheiresco para o homem do terceiro milênio   Roberto Marchesini Tradução: Gederson Falcometa   V...

Patrocínio de Pratos de Celestes, decoupagem católica: