Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de abril de 2021

ROBERTO PECCHIOLI: A VERDADE É MENTIRA. A MENTIRA É VERDADE

 


 

Accademia Nuova Italia
Roberto Pecchioli
Tradução: Gederson Falcometa

 

Mark Twain dizia que é mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que foram enganadas. Autor das (altamente censuradas!) Adventures of Huckleberry Finn, no século XIX não poderia ter conhecido o poder de fogo do dispositivo midiático de informação e deformação da verdade. O problema da verdade e da mentira tornou-se central na “sociedade do espetáculo”, da busca da notícia e da pós-verdade, que se tornou o nome da arte da mentira.

Em última análise, todas as contorções verbais de nosso tempo são atentados contra à verdade, à clareza e, em última instância, à negação da realidade. Multi, poli, trans, bi são máscaras, fumícias que visam distanciar o homem da verdade e de sua pesquisa.

Um dos poucos filósofos que lutam uma luta desigual em favor da verdade é Francesco Lamendola. Em tempos normais, ele seria um "professor reverenciado" cheio de honras e prêmios. Na escuridão do presente, ele só consegue levantar a voz, quase inaudível, "vox clamantis in deserto".

O escritor não tem a cultura nem a forma mentis do filósofo. Tenta desenvolver a reflexão sobre o dramático problema da verdade e da mentira com as armas e a linguagem do homem comum, consternado com o que vê e ouve.

Um imenso aparato cultural, midiático e de entretenimento, uma oficina de ciclo contínuo tem como objetivo fazer com que não acreditemos mais nos nossos olhos. George Orwell entendeu isso com a invenção estonteante, no romance de 1984, dos três grandes escritos sobre o imenso edifício do partido único no poder: guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

Derrubar os significados significa derrubar a realidade.

O resultado é óbvio: a verdade é uma mentira. E uma vez que, como ensinou Aristóteles, se A é igual a B, B deve ser igual a A, a mentira se torna verdade. A verdade, escreve o Evangelho de João, torna-nos livres, por isso a mentira nos transforma em escravos.

O cerco se fecha, a relação entre verdade e liberdade torna-se um exercício filosófico fútil para os metafísicos tardios. O pensamento ocidental libertou-se com aborrecimento da metafísica, isto é, de tudo o que vai além da matéria nua, e impõe uma religião provisória e intangível, a ciência, definida como "exata".

No entanto, a precisão é um conceito muito diferente da verdade. A ciência não se propõe como objetivo da verdade; limita-se, por meio da observação e da experimentação, a esclarecer as regras e invariantes do mundo físico. Na verdade, uma ciência correta nunca é considerada definitiva, ela aceita a prova contrária, tanto que Karl Popper considerava a refutação um dos pilares do conhecimento científico. Paul Feyerabend, filósofo da ciência, argumentou que o único método científico correto é a ausência de método.

Nas últimas décadas, o relativismo radical da cultura ocidental transformou-se em seu oposto: de um lado, o pressuposto da ciência como uma nova religião, de outro, a ideia de que só existe uma verdade, que é a ausência de verdade elevada a totem intransponível.

Ninguém escapa da tendência niilista e da condição humana desesperada que se segue.

Daí a redução da vida a um mero fato biológico, a ser preservado a todo custo (o culto supersticioso da vacinação) ou cancelado a pedido (eutanásia), e, paradoxalmente, a necessidade de espalhar para uso das massas amedrontadas, órfãos de princípios, privados de qualquer domínio comum, novas "verdades", isto é, para colocá-lo claramente, mentiras úteis para o poder.

Estamos chegando ao ponto em que, olhando para uma árvore, eles nos convencem indiferentemente de que é um poste ou um unicórnio, chamando de loucos e visionários aqueles que continuam a chamá-la de árvore, vê-la e considerá-la pelo que é.

Aconteceu-nos, numa discussão com um autodenominado intelectual progressista sobre o conceito de casamento, perguntar-lhe o que ele pensava do fato de nenhuma civilização, em nenhum momento, vir à mente considerar o casamento como união entre pessoas do mesmo sexo. A resposta foi assustadora e desarmante: o passado estava cheio de erros, trevas e preconceitos, finalmente alcançamos a libertação e a verdade.

Portanto, não é verdade que "homem e mulher os criou". A árvore mudou definitivamente de nome e não é mais uma árvore. O Ministério da Verdade venceu sua batalha e impôs a reversão intuída por Orwell: a mentira se tornou verdade. E vice versa.

Uma vez que alguns bastianos opositores discordam, a mentira que se tornou uma nova verdade deve ser imposta, inicialmente com a colocação de todo o aparato à disposição do poder, depois com a proibição legal da dissidência.

Montesquieu escreveu já em meados do século XVIII que não há pior tirania do que a exercida à sombra da lei e com as cores da justiça. Poderíamos acrescentar, daquela que apela à moralidade, a uma ética invertida na qual o poder finge acreditar.

Um exemplo são as notícias que seriam hilárias se não fosse a demonstração do duplo pensamento orwelliano, isto é, da inversão deliberada para fins de dominação. A Agência Europeia de Medicamentos (EMA), um alto grupo de "especialistas" e cientistas aos quais, na época do vírus, entregamos a saúde e o que resta de nossas faculdades intelectuais, está considerando a possibilidade de recomendar a proibição da Vacina russa Sputnik V - já usada em 59 países - por razões "éticas".

Partindo desta consideração, devemos rir em voz alta de sua ética como de um elogio da castidade proferido pela Cicciolina, você sabe qual é a motivação virtuosa dos altos burocratas da saúde europeus?

Aqueles que participaram da pesquisa podem ter sido forçados a fazê-lo pelo governo russo. O Sputnik, portanto, não seria uma vacina "ética".

O EMA, incapaz de resolver o drama do vírus, está gastando seu tempo investigando se "militares e cientistas russos que participaram da pesquisa o fizeram sem constrição". Vidas podem ser salvas (parece que o Sputnik consegue) pede-se ao EMA com a mão no coração e uma lágrima no rosto, com uma vacina que pode ter sido feita e produzida infringindo “direitos”?

Evitemos nos lembrar dos resultados dramáticos de testes em populações do Terceiro Mundo de patentes da Big Pharma ou do grande filantropo Bill Gates: fácil demais.

Os interesses não importam, não é? A mentira afugentou a verdade, mas é muito perigoso afirmá-lo: o rei está nu, mas nem mesmo a criança no conto de fadas de Andersen o pode dizer.

Tão pouco saudável é levantar dúvidas - como fazem alguns cientistas - sobre o princípio ativo das vacinas anti-Covid escolhidas pela oligarquia.

O desafio terapêutico está ligado ao chamado RNA mensageiro, ou seja, moléculas de ácido ribonucléico quimicamente sintetizadas que carregam uma mensagem para o DNA de nossas células. Isto é, fornecem instruções - perdoe a linguagem simplista - sobre quais proteínas produzir.

Tentativa extraordinária, de ser saudado com entusiasmo, só que não há certeza de que as vacinas de mRNA não influenciam - ou seja, modificam - o DNA. A maioria nega: quem sabe se a Big Pharma pressionou, ou seja, "violou direitos", para divulgar essa narrativa tranquilizadora; o fato é que não há evidências e as dúvidas persistem.

É "ético" modificar o DNA humano ou correr o risco de que isso aconteça? Verdade, mentira ou mentira que se torna verdade pela compulsão de repetir?

Talvez o verdadeiro profeta tenha sido Lewis Carroll, o autor de Alice no País das Maravilhas, que inventou Humpty Dumpty, o homenzinho em forma de ovo com uma linguagem incompreensível. Alice maravilhada diz: Quando eu uso uma palavra, ela significa exatamente o que eu quero que signifique. À observação de Alice, uma criança simples mas não boba, de que palavras podem ter muitos significados, ela responde: “quando faço uma palavra fazer esse trabalho, eu pago cada vez mais”.

Palavras tornam-se instrumentos de mentiras para os fins mais obscuros e indizíveis. É a derrota do princípio da realidade e sua substituição pela "narração", imposta por um implacável dispositivo de lavagem cerebral cuja função é oposta à das aplicações informáticas que "limpam" o lixo da memória do computador.

A verdade é substituída por seu oposto: o grande Reset, que significa cancelamento. Penso, vejo, percebo A, mas o dispositivo mental traduz a informação para trás: A torna-se Zeta.

Quem sabe se não é o caso de voltar ao antigo crime a que se refere o artigo 661 do Código Penal, o abuso da credulidade popular, classificado como contra-ordenação quando a mentira se torna mais difundida, difundida e contagiosa. Mas a ignorância é a força (de quem a espalha), explicou Orwell.

O apelo moral, portanto, torna-se seu oposto, uma vez que o pior da imoralidade vem daqueles que mentem sabendo que estão mentindo.

Vamos dar outro exemplo.

No estado norte-americano da Geórgia, objeto de violenta controvérsia devido a uma possível fraude nas eleições presidenciais, a lei eleitoral foi alterada. O novo prevê a verificação da identidade do eleitor por meio de documento oficial. Estranho ou normal? A decisão da Geórgia gerou um grande clamor dos progressistas americanos, que hoje são chamados de woke, os "despertados". Aqui está outra mentira que se tornou verdade: o despertar consiste no cancelamento da civilização e da cultura de origem! As grandes corporações industriais e tecnológicas são os leiloeiros. Cerca de 1.119 entre eles, incluindo Amazon, McDonalds, Microsoft, PayPal, Uber, Airbnb, Best Buy, Capitol One, Dow, Hewlett Packard, Macy's, Starbucks, United Airlines, Pepsi, criaram uma incrível "Aliança Cívica" unida na rejeição de a nova lei eleitoral da Geórgia.

Seu comunicado é um exercício orwelliano perfeito, a inversão descarada da realidade. “Apoiamos eleições seguras e acessíveis e incentivamos nossos funcionários e associados a participarem da vida cívica. Como empresas, somos solidários com os eleitores em nosso compromisso apartidário com a igualdade e a democracia. Consideramos ameaçadores os projetos de lei para dificultar a votação ”.

Não conhecem a vergonha: é imoral pedir a quem comparece a uma assembleia de voto uma carteira de identidade e a prova de inscrição na seção eleitoral, não é fraude. O sistema é tão forte que não apenas mente descaradamente, mas abertamente chama o bem de mal.

Especificamente, parece uma confissão de culpa, a prova comprovada de que a democracia é a maior das mentiras hoje. Eles escolhem quem pode se candidatar por meio de mecanismos preventivos de exclusão, eles escolhem os eleitos (quem recebe financiamento e apoio). Agora eles também escolhem os eleitores. O próximo passo - a janela de Overton ainda não está escancarada, mas eles estão trabalhando nisso - será também abolir a pálida democracia representativa, que representa não os povos, mas a oligarquia. Ou talvez não, melhor que as pessoas mintam para si mesmas, acreditando que vivem em liberdade.

Fácil de enganar quando se é o mestre das cartas, dite as regras do jogo e escolha os jogadores. É difícil fazer as pessoas entenderem a enormidade da operação e o perigo mortal que correm. Eles se sentem fortes o suficiente para revelar claramente suas intenções. De qualquer maneira, não vamos entender ou aplaudir o golpe.

A Agenda 2030 da ONU, o Grande Reset do Fórum de Davos colocou suas cartas na mesa, mas a verdade não foi levada a sério. Os testes são inúmeros, mesmo que para expô-los nos sentimos como Sísifo no fim de seu cansaço. Sísifo era o enganador mais esperto e astuto, mas no horizonte mental grego ninguém podia desafiar, por meio da arrogância, do excesso, a ira dos deuses. A punição foi terrível: empurrar eternamente uma pedra da base para o topo de uma montanha. Cada vez que chegava ao topo, a pedra rolava e Sísifo precisava reiniciar a escalada inútil.

Alex Pentland, diretor do Laboratório de Dinâmica Humana do famoso MIT (Massachusetts Institute of Technology), assessor do Fórum Econômico Mundial, de grandes multinacionais, recebedor de vultosos financiamentos das principais ONGs do mundo, disse ter a solução para os problemas da humanidade.

Ele não é um louco ou um charlatão, mas um cientista que trabalha na modificação inconsciente do comportamento humano. Formulou uma nova ciência social computacional baseada na matemática, na agregação de dados e metadados, que chamou de Física Social, em homenagem a um texto do filósofo positivista do século XIX Auguste Comte.

Através da informação retirada das inúmeras fontes de recolhimento de dados pessoais existentes - telefones, redes sociais, cartões de crédito, Internet, e-mail - permite a previsão mais precisa dos comportamentos humanos e sociais, ultrapassando a sociologia do conhecimento de Max Scheler , ou seja, entendo-a  como uma mina de realidade capaz de prever todas as nossas condutas.

O "princípio da influência social" permitirá saber por que as decisões são tomadas e antecipá-las, não tanto por coerção, interesse racional ou persuasão, mas por imitação. Assim, com base em uma vaga epistemologia comportamental, faremos espontaneamente o que os mestres universais quiserem. Em anos mais honestos, era chamada de lavagem cerebral. Hoje é ciência, previsão, progresso.

Os novos demiurgos cibernéticos revelam cinicamente que são capazes de nos obrigar a fazer o que eles querem. Chamam-no, com o moralismo furioso e invertido de que são donos, "orientar as massas para objetivos adequados". O Flautista de Hamelin dos Irmãos Grimm fez isso muito bem. Eles se apresentam como "filantropos", uma das palavras mais suspeitas e invertidas de nosso tempo. Apóstolos do Bem de cabeça para baixo, eles sabem que podem contar, para o sucesso de seus projetos, com uma humanidade quebrantada a toda mentira.

O lobo do Chapeuzinho Vermelho vem à mente: que orelhas grandes você tem. É para se ouvir melhor. Que olhos grandes! Para te ver melhor. A verdade estava na pergunta final: vovó, que boca grande você tem. É para te devorar melhor! Chapeuzinho Vermelho se safou, mas foi um conto de fadas.

Se aquilo que nos é proposto - isto é, imposto - tem a marca da ciência e o sopro do progresso, acolhemo-lo com entusiasmo infantil. Ciência é "verdade" e paciência se a parte mais elevada e especulativa da ciência há muito reconheceu seus limites. Pense no princípio da incerteza de Heisenberg, no teorema da incompletude de Goedel, na física quântica que introduziu o conceito de probabilidade e enunciou a lógica absurda do gato de Schroedinger, morto e vivo na caixa, "sob certas condições".

Sofismas, excesso de complexidade para o homem pós-moderno com raciocínio binário, sequências de zeros e uns como na informática.

Fácil de impor a mentira e disfarçá-la de verdade em um molho moralizante. Os lobos não se preocupam mais em se vestir como a vovozinha do Chapeuzinho Vermelho.

Diante do exposto, é claro que o tema da verdade e da mentira não é um trocadilho inútil para os filósofos ou uma diatribe bizantina estéril sobre o sexo dos anjos, mas um instrumento muito concreto de engano e dominação. Para continuar a batalha pela verdade é preciso a paciência de Jó, a eloqüência de Cícero e a coragem de Dom Quixote, já que os gigantes inimigos se disfarçaram de moinhos de vento. Esperemos que Abraham Lincoln estivesse certo: você pode enganar alguém para sempre e todos por um tempo, mas não se pode enganar a todos para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

ROBERTO MARCHESINI: PORQUE UM CÓDIGO CAVALHEIRESCO.

  Extraído do livro Código cavalheiresco para o homem do terceiro milênio   Roberto Marchesini Tradução: Gederson Falcometa   V...

Patrocínio de Pratos de Celestes, decoupagem católica: