Pesquisar este blog

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

D. DAVIDE PAGLIARANI: A HERMENÊUTICA DA HERMENÊUTICA - SEGUNDA PARTE: CONSEQUÊNCIAS ÚLTIMAS DA HERMENÊUTICA DA CONTINUIDADE






Don Davide Pagliarani
Revista Tradizione Cattolica
FSSPX Itália
Março de 2010
Tradução: Gederson Falcometa

A hermenêutica da continuidade encontra a não infalibilidade do Concílio

Um texto infalível por definição não pode ser interpretado. Com efeito, se um texto infalível exige interpretação, é automaticamente o conteúdo da interpretação que se torna infalível e não mais o texto original, pois é a interpretação que exprime a formulação inequívoca e definitiva e, portanto, suscetível de ser vinculativa. De fato, uma definição diz respeito necessariamente a algo definitivo: definir o que não é definitivo significaria definir o indefinível, pretender tornar estático o fluir do devir.

Consequentemente, nenhuma autoridade pode obrigar alguém a acreditar em algo antes mesmo de saber o que é ou o que expressa (daí deriva a precisão absoluta das fórmulas dogmáticas clássicas): equivaleria a pedir a alguém que nade sem permitir que entre na piscina.

 A aplicação do princípio torna-se ainda mais estrita se a própria autoridade responsável reconhecer uma grave necessidade de interpretação.

Ora, se depois de quarenta anos os textos do Concílio precisam de uma interpretação correta, é a prova comprovada de que o Concílio não pode ser vinculativo para a consciência católica.

Por outro lado, em uma linha puramente teórica, sua interpretação correta poderia ser: sabemos, porém, que uma interpretação correta para ser autêntica (no sentido moderno do termo) deve ser continuamente reformulada para expressar algo que está sempre vivo e portanto, sempre verdadeiro. Nesse mecanismo hermenêutico não pode mais haver nada dogmaticamente vinculante porque não podem mais existir formulações dogmáticas semanticamente estáveis. Este aspecto do problema merece alguma reflexão suplementar.

1965 - 2005 – 2010

Já mencionamos algumas implicações da "pastoralidade" do Concílio, destacando como pretendia utilizar expressões e linguagens adequadas à sensibilidade do homem contemporâneo. Consequentemente, a linguagem dos textos conciliares se expressa em nuances próprias do clima cultural, das apreensões e entusiasmos típicos dos anos sessenta. Agora, o contexto social, cultural e religioso do terceiro milênio sofreu uma tal transformação que, numa perspectiva leal e verdadeiramente hermenêutica, os textos pastorais do Concílio, ao invés de serem reinterpretados, devem ser substituídos por outros textos consoantes e adequados ao homem de hoje. Se se quisesse realmente continuar a usá-los como base para uma interpretação autêntica, teria que ter a coragem de reconhecer que toda releitura teria um valor contingente, de acordo com o momento histórico em que é formulada, e que ao mesmo tempo, deveria continuar a confrontar a realidade, para continuar a dar respostas sempre adequadas e, portanto, sempre verdadeiras.

A hermenêutica autêntica, no sentido moderno do termo, pressupõe um esforço contínuo capaz de produzir novas perguntas, novas respostas e novas expressões, paralelas e coextensivas à evolução da humanidade, de seus problemas, de suas expectativas e de sua vida.

Casando-se com o homem no seu ser concreto, no seu estar no mundo - aquilo que o Concílio entendeu fazer -, necessariamente deve esposar-lhe também o contínuo devir [1].

O mesmo discurso na Cúria de 2005 - só para dar um exemplo recente - é a expressão de uma intenção precisa do Papa formulada e expressa em um momento preciso de seu pontificado. Provavelmente hoje ele reformularia o que expressou há cinco anos de forma diferente, levando em conta o que aconteceu na Igreja nos últimos anos, como sua sensibilidade e a de seu rebanho evoluíram ... e também como seus "sinais" foram recebidos pelos episcopados.

Voltando aos textos conciliares, se empurrarmos as dinâmicas hermenêuticas descritas às suas consequências extremas, elas acabam por significar algo indefinível, isto é, afirmações mutáveis ​​e até contraditórias. Nesse sentido, esses textos, tomados ao pé da letra, mostram-se incapazes de ter um sentido único e definitivo.

A conclusão pode parecer exagerada, mas a babel teológica, doutrinal e moral que grassa na Igreja hoje é realmente comparável a uma mistura de verdadeiro e falso, bom e mau, belo e feio, absoluto e relativo, ser e não ser, o resultado de uma atitude básica compreensível apenas numa perspectiva em que, ao renunciar a definir, se renuncia ao ensino. Se assim for, a Igreja já não é - humanamente falando - nem docente e nem governável.

Nada mais pode ser ensinado porque nada pode ser definido no sentido clássico do termo. Nenhum texto e nenhuma fórmula dogmática podem alegar ter um sentido definitivo, intrínseco, universal e perene.

Em última análise, esta é a armadilha em que a Igreja caiu com o Concílio. Esta é a armadilha em que o próprio Magistério se encontra preso no momento em que insiste em salvar os textos do Concílio. Neste contexto, a hermenêutica da continuidade proporciona um canal de comunicação com a Tradição, sem contudo permitir sair da jaula em que o Concílio aprisionou as inteligências seja do discente e que do docente.

 

Uma analogia inaplicável: o problema histórico da recepção de concílios

Provavelmente para amortecer um pouco o drama atual, muitas vezes se evocam as dificuldades que a Igreja encontrou para aplicar as decisões dos concílios anteriores. Pense no Concílio de Nicéia ou no Concílio de Trento. Em suma, observando a história, precisamos de paciência e devemos continuar a ter esperança.

Embora compartilhemos plenamente a confiança na Providência, parece que vemos alguma confusão básica neste raciocínio que merece atenção. É verdade que o Concílio de Trento - por exemplo - encontrou numerosos bolsões de resistência e certamente não foi aplicado em um dia; entretanto, a causa fundamental dessas dificuldades parece se opor aos problemas da hermenêutica do Vaticano II. Na verdade, o Tridentino encontrou obstáculos precisamente por causa de sua clareza dogmática e disciplinar: seus textos se explicavam e ainda se explicam por si mesmos, com tal clareza que certamente assustou as partes da Igreja e do clero reticentes às tão necessárias reformas e sacrifícios católicos que isso implicava.

O Vaticano II, por outro lado, foi acolhido e aplicado em clima de entusiasmo geral, especialmente pela ala mais modernista do clero, agora acusada de não ter entendido o que significava o Concílio.

Paradoxalmente, a comparação com os concílios anteriores mostra mais uma vez que os problemas que se seguiram ao Vaticano II são atribuíveis principalmente à sua deficiência intrínseca, absolutamente ausente em qualquer concílio da história.

 

Hermenêutica da continuidade e o "superdogma" do Concílio

 Na reflexão de que estamos tratando, parece-nos particularmente iluminadora uma expressão do então Cardeal Ratzinger [2], que depois se tornou canônica e foi muitas vezes re-utilizada , para ilustrar a disfunção produzida na interpretação do Concílio que postularia a hermenêutica da continuidade como solução. O Concílio teria se transformado em um "super dogma", como se tudo tivesse nascido com ele, portanto sem qualquer referência à perene Tradição da Igreja. A expressão é muito clara e incisiva e tem basicamente o mérito de resumir em uma única palavra o complexo problema da absolutização do Concílio. No entanto, essa mesma expressão, como a hermenêutica da continuidade, à qual é complementar, corre o risco de obscurecer a raiz do problema. Na verdade - mais uma vez - quer redimensionar o Concílio, muito “super-dogmatizado” na sua aplicação e interpretação, salvando-o em todos os seus conteúdos. Em suma, tudo se reduziria a uma questão de medida, mas não de substância.

Esta interpretação da questão não nos parece exaustiva, sobretudo se - por absurdo - aplicassemos um esquema análogo  aos outros Concílios da Igreja. Por exemplo, se as decisões dogmáticas do Concílio de Trento fossem absolutizadas na Igreja, a Igreja não se tornaria conciliar-tridentina em detrimento de outras verdades não tratadas diretamente pelo Concílio de Trento, mas permaneceria perfeitamente católica. Se as decisões de Nicéia fossem super-dogmatizadas, a Igreja permaneceria o que é, ainda que extremamente fortalecida e confirmada na Fé de todos os tempos. Isso porque a fé é uma virtude teológica que, tendo Deus como objeto, nunca é muito dogmática no sentido de que não há "excesso de dogma" ou "excesso de um dogma" como erro. Por exemplo, se alguém “super-dogmatizou” o dogma da Encarnação, isto é, se alguém começou a insistir muito neste dogma, tal “super-dogmatização” nunca levaria, como tal, a um erro. Simplesmente, o conhecimento explícito desse dogma aumentaria ainda mais e, por meio dele, todo o plexo dogmático católico seria revigorado. Na verdade, a Fé é um unicum simples e integral, e não o resultado de equilíbrios interagentes ou de componentes heterogêneos.

Consequentemente, o fato de que a "super-dogmatização" do Concílio Vaticano II tenha conduzido à gravíssima situação que conhecemos e que um Papa finalmente reconhece, indica que o próprio Concílio contém intrinsecamente elementos que não estão em sintonia com a Tradição: sua absolutização aparece como uma consequência inevitável de sua falta de conexão com o passado. Nada mais fez do que amplificar os elementos neotéricos já presentes no Concílio, sem os criar ex novo e autonomamente a partir dele.

A citada ausência de anátemas, a qual caracteriza, em perfeita continuidade, tanto o Concílio como o Pós-Concílio vale como exemplo.

 

Conclusão

Parece-nos que todo acontecimento nascido da hermenêutica da continuidade tem o mérito de ter evidenciado o problema fundamental do Concílio: é um problema estrutural antes mesmo de ser um problema de conteúdo.

- O Concílio não ensina no sentido clássico, mas acosta expressões e conteúdos antigos com novas expressões e conteúdos novos, elementos de caráter dogmático e considerações de caráter pastoral e contingente.

- Este produto não tem valor definitivo, mas antes representa uma plataforma de base a partir da qual partir para uma constante e incessante reinterpretação, sempre viva e atual, não ancorada a um momento histórico particular e não exprimível por meio de sentenças irreformáveis.

É um movimento hermenêutico irrefreável que só poderá ser parado quando o Concílio for interrompido, no sentido de que o movimento por ele iniciado terá fim. 

Provavelmente, para chegar a esse resultado, seria necessário antes de tudo reconverter as inteligências ao fato de que há uma Verdade Absoluta que pode ser expressa e descrita por meio de afirmações dogmáticas definitivas, que não postulam e não requerem nenhuma hermenêutica posterior.

Estas são as fórmulas dogmáticas clássicas da Tradição perene e constante da Igreja: longe de representar um conceito "incompleto e contraditório" da Tradição, longe de representar uma tradição "petrificada", são o único veículo possível para transmitir a Fé Apostólica até o fim dos tempos.


Notas:


[1] Em suma, a hermenêutica da continuidade deve harmonizar três elementos que parecem decididamente inconciliáveis: a tradição, os textos do Concílio, a evolução atual da humanidade.

[2] A expressão foi usada pela primeira vez pelo Card. Ratzinger, em 13 de julho de 1988, em uma conferência aos bispos chilenos em que o Cardeal, ao comentar o "caso Lefebvre", se inspirou em algumas análises e reflexões em que encontramos em poucas palavras, os princípios básicos da hermenêutica da continuidade. Citamos uma breve passagem: “É uma operação necessária para defender o Concílio Vaticano II contra Mons. Lefebvre, tão válido e vinculativo para a Igreja. Certamente há uma mentalidade tacanha que leva em conta apenas o Vaticano II e que provocou essa oposição. São muitas as apresentações que dão a impressão de que, a partir do Vaticano II, tudo mudou e que o que o precedeu não tem valor ou, na melhor das hipóteses, só tem valor à luz do Vaticano II. O Concílio Vaticano II não foi tratado como parte de toda a tradição viva da Igreja, mas como um fim da Tradição, um novo começo do zero. A verdade é que este conselho em particular não definiu nenhum dogma e escolheu deliberadamente permanecer em um nível modesto, como um conselho puramente pastoral; mas muitos o tratam como se tivesse se transformado em uma espécie de superdogma que se distancia de tudo o mais. Essa ideia é fortalecida pelas coisas que estão acontecendo agora. O que antes era considerado a coisa mais sagrada - a forma como a liturgia era transmitida - aparece de repente como a mais proibida de todas as coisas, a única que pode ser proibida impunemente. Não se pode suportar criticar as decisões tomadas pelo Conselho; por outro lado, se alguns duvidam das regras antigas, ou mesmo das principais verdades da fé - por exemplo, a virgindade corporal de Maria, a ressurreição corporal de Jesus, a imortalidade da alma, etc. - ninguém protesta, ou só o faz com a maior moderação. Eu mesmo, quando era professor, vi como o mesmo Bispo que, antes do Concílio, havia demitido um professor realmente irrepreensível, por uma certa crueza no seu discurso, não conseguiu, depois do Concílio, destituir um professor a que negou abertamente verdades de fé certas e fundamentais. Tudo isso leva muitas pessoas a se perguntarem se a Igreja de hoje é realmente a mesma de ontem, ou se a trocaram por outra coisa sem avisar às pessoas. A única maneira pela qual o Vaticano II pode se tornar plausível é apresentá-lo como ele é: uma parte da tradição ininterrupta e única da Igreja e de sua fé ”.

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

D. DAVIDE PAGLIARANI: A HERMENÊUTICA DA HERMENÊUTICA - SEGUNDA PARTE: CONSEQUÊNCIAS ÚLTIMAS DA HERMENÊUTICA DA CONTINUIDADE

Don Davide Pagliarani Revista Tradizione Cattolica FSSPX Itália Março de 2010 Tradução: Gederson Falcometa A hermenêutica da continuidade en...